quarta-feira, 8 de julho de 2015

Com o povo nas ruas, derrotaremos o Golpe de Estado que se trama contra Dilma, a Democracia e a Constituição! - Marcos Doniseti!

Com o povo nas ruas, derrotaremos o Golpe de Estado 
que se trama contra Dilma, a Democracia e a 
Constituição! -  Marcos Doniseti!
Campanha da Legalidade: Em 1961, em Porto Alegre, o povo saiu às ruas em defesa da Constituição e contra o Golpe de Estado liderado pelos ministros militares. Campanha conseguiu maciço apoio popular, em todo o Brasil, isolou os Golpista e garantiu a posse de João Goulart na Presidência da República. 
Esse pessoal da Direita que defende a derruba da Presidenta Dilma não promoverá Golpe de Estado se tiver povo na rua, lutando e resistindo contra o Golpe que eles planejam.

Em 1961, os três ministros militares recuaram do Golpe de Estado que estavam comandando e que visava impedir a posse de João Goulart na Presidência da República (após a renúncia de Jânio Quadros). 

Isso aconteceu porque tivemos uma Resistência popular forte, organizada, no país inteiro, em defesa da posse de Jango na Presidência da República, tal como determinava a Constituição brasileira da época.

Em nossa longa história, várias tentativas golpistas já foram derrotadas no Brasil.

O suicídio do presidente Getúlio Vargas, em Agosto de 1954, barrou o Golpe de Estado que se promoveu contra o seu governo e os golpistas, ao ver a reação popular em função da morte do Presidente que criou a CLT, a Petrobras e o BNDES, acabaram por desistir do Golpe.

Em 1955, tivemos contra-golpe comandado pelos Generais do Exército e pelo Marechal Lott, que barrou outro Golpe de Estado, o qual desejava impedir a posse de JK/Jango no governo do país

Em 1956 (Revolta militar de Jacareacanga) e em 1959 (Revolta militar de Aragarças), o então presidente Juscelino Kubitschek derrotou mais duas tentativas golpistas contra o seu governo. E em 1961, outra tentativa de Golpe foi derrotada, pela campanha da Legalidade comandada pelo governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola. 

Assim, os golpistas venceram apenas em 1964. Mas, anteriormente, a Resistência derrotou cinco tentativas de Golpes de Estado.

Portanto, o Golpe que o PSDB planeja executar neste ano, contra o governo democraticamente reeleito da Presidenta Dilma, também pode vir a ser derrotado, sim.

Tentativas golpistas eram rotineiras no Brasil do período 1946-1964 e somente uma tentativa não foi derrotada, que foi em 1964, mas isso aconteceu muito em função de erros monumentais cometidos pelas Esquerdas Radicais da época. Entre os principais erros cometidos, temos o fato delas terem abandonado a defesa da Constituição e da Legalidade, tal como haviam feito, vitoriosamente, em 1961, o apoio dado às revoltas dentro das Forças Armadas - de marinheiros e sargentos - e terem tratado o Presidente João Goulart como o seu maior inimigo. 

As Esquerdas Radicais do período também desprezaram a força das Direitas Golpistas, que se mobilizavam desde 1961 para derrubar o Presidente João Goulart. Exemplo desta mobilização foi a criação do IPES e do IBAD. 

Podem ter certeza de uma coisa: Na hora em que o povo protestar, saindo às ruas, denunciando o Golpe que desejam promover contra a Dilma, eles, golpistas, recuam. 

É como disse o PHA (Paulo Henrique Amorim): Os tucanos golpistas querem um golpe suave, calmo e tranquilo, com o menor grau de turbulência ou de conflito possível.

Se nós deixarmos, os golpistas reacionários e entreguistas vencerão, mas se nos mobilizarmos e formos para as ruas, defender a Democracia, a Constituição e a Legalidade, eles ficarão contra a parede. E irão recuar, tal como aconteceu em 1954, 1955, 1956, 1959 e em 1961. 

Vamos taxá-los de golpistas, de maus perdedores, que não conseguem ganhar eleição nas urnas e que desejam conquistar o poder na marra, sem o voto do povo, assumindo o poder no tapetão, promovendo no Brasil um Golpe de Estado nos moldes de Honduras (que derrubou Manuel Zelaya) e do Paraguai (que derrubou Fernando Lugo).

Além disso, temos que levar em consideração que os tucanos estão divididos. Para o  governador Geraldo Alckmin o impeachment não é interessante. Ele prefere disputar a eleição presidencial de 2018 como o candidato do PSDB (candidatura esta que, de fato, já lhe pertence), pois ele sabe que será o candidato tucano ao cargo.

Se quisermos barrar o Golpe dos tucanos maus perdedores, não podemos nos limitar a escrever textos, artigos e manifestos. Isso não barra Golpe em lugar nenhum do mundo.

O povo na rua, sim.

Então, se tentarem o Golpe, teremos que ir para as ruas. 

É lá que iremos barrar o Golpe, tal como aconteceu em 1961, quando a 'Rede da Legalidade' liderada pelo então governador do RS, Leonel Brizola, mobilizou o povo brasileiro em defesa da Democracia, da Constituição e da Legalidade e, assim, derrotou o movimento golpista liderado pelos três ministros militares.

Vamos para as ruas. É lá que iremos derrotar o Golpe.

Vamos para as ruas!


Link:

Haroldo Lima: Tramam um Golpe. E ele não passará. 

Nenhum comentário: