domingo, 18 de maio de 2014

Prefeitura de São Paulo paga o maior piso salarial para os Professores das Capitais - por Marcos Doniseti!

Prefeitura de São Paulo paga o maior piso salarial para os Professores das Capitais - por Marcos Doniseti!

Em 2014, o Piso Salarial Nacional dos professores subiu para R$ 1.697,00, acumulando um reajuste de 65,7% em relação ao ano de 2010. 

1) São Paulo (SP) - R$ 3.000,00 (40 hs-aula semanais);

2) Rio de Janeiro (RJ)- R$ 2,933,00 (40 hs-aula semanais);

3) Vitória (ES) - R$ 2,782,00 (40 hs-aula semanais);

4) Campo Grande (MS) - R$ 2.362,00 (40 hs-aula semanais);

5) Manaus (AM) - R$ 1.222,00 (20 horas-aula semanais);

6) Boa Vista (RR) - R$ 1.454,00 (25 hs-aula semanais);

7) João Pessoa (PB) - R$ 1.728,00 (30 hs-aula semanais);

8) Porto Alegre (RS) - R$ 2.187,00 (40 hs-aula semanais);

9) Cuiabá (MT) - R$ 2.120,00 (40 hs-aula semanais);

10) Belo Horizonte (MG) - R$ 1.140,00 (22,5 hs-aula semanais);

11) São Luís (MA) - R$ 1.939,00 (40 hs-aula semanais);

12) Curitiba - (PR) - R$ 946,00 (20 hs-aula semanais);

13) Natal (RN) - R$ 900,00 (20 hs-aula semanais);

14) Belém (PA) - R$ 1.796,00 (40 hs-aula semanais);

15) Goiânia (GO) - R$ 1.680,00 (40 hs-aula semanais);

16) Palmas (TO) - R$ 1.619,00 (40 hs-aula semanais);

17) Recife (PE) - R$ 1.214,00 (30 hs-aula semanais);

18) Aracaju (SE) - R$ 1.567,00 (40 hs-aula semanais);

19) Florianópolis (SC) - R$ 1.567,00 (40 hs-aula semanais);

20) Teresina (PI) - R$ 1.567,00 (40 hs-aula semanais);

21) Fortaleza (CE) - R$ 1.470,00 (40 hs-aula semanais);

22) Rio Branco (ES) - R$ 906,00 (25 hs-aula semanais);

23) Salvador (BA) - R$ 1.451,00 (40 hs-aula semanais);

24) Porto Velho (RO) - R$ 1.445,00 (40 hs-aula semanais);

25) Maceió (AL) - R$ 1.075,00 (40 hs-aula semanais).


Observações:

Obs1: Salários válidos para Professores com jornada semanal de 40 horas-aula;

Obs2: Salários são válidos para professores de ensino fundamental (que agora vai do 1o. ao 9o. anos) e médio;


Obs3: O Piso Salarial Nacional atual (válido para 2014) é de R$ 1.697,00, mas o ranking foi elaborado quando o Piso era de R$ 1.567,00 (valor de 2013);


Obs4: O Piso Salarial da cidade de São Paulo acabou de ser reajustado em 15,38% pelo prefeito Fernando Haddad, chegando aos R$ 3.000,00. Até Abril de 2014 ele era de R$ 2.600,00;

Obs5: Os salários de algumas cidades que aparecem na relação são válidos para jornadas semanais inferiores às 40 hs-aula semanais. 

Exemplo: Manaus tem um piso salarial de R$ 1.222,00 mas que é válido para uma jornada de 20 hs-aula semanais. Neste caso, dobra-se o valor (passando para R$ 2.444,00) para que o salário possa ser comparado com as cidades que possuem jornadas de 40 hs-aula semanais. 

Então, a classificação da cidade no ranking salarial não é prejudicada;

Obs6: A cidade de Macapá (AP) não forneceu informações sobre o piso que paga aos professores, mas sabe-se que está abaixo do valor estipulado pelo Piso Nacional; 

Obs7: Os valores citados neste ranking correspondem a professores com jornada semanal de 40 hs-aula semanais e que trabalham no ensino fundamental e médio. No entanto, algumas cidades ainda possuem planos de carreira que permitem que o salário dos profissionais da educação (professores, coordenadores pedagógicos, supervisores, etc) vá melhorando bastante com o tempo. 

Exemplo: O Piso de R$ 3.000,00 da capital paulista é válido para um professor com jornada semanal de 40 hs-aula semanais, sendo que são 25 hs-aula em regência de aula e outras 15 hs-aula fora da sala, em horário de formação, para correção de avaliações, etc. E tal professor também possui formação em curso superior (completo, é claro). Mas esse salário é pago apenas aos professores em início de carreira. Para aqueles que tem mais tempo de trabalho, o salário é maior. 

É que na capital paulista não temos professores que possuam apenas o ensino médio. Todos os professores da cidade de São Paulo tem formação superior. 

Além disso, existe uma evolução funcional, que faz com que a cada 3 anos, em média, ele suba de padrão, passando a ganhar mais. Logo, quando o professor da capital paulista está encerrando a carreira, o seu salário-base já é bem superior ao que ganhava no início. E o mesmo ainda faz jus a vários benefícios, como auxílio-refeição, auxílio-distância, quinquênios e sexta-parte. Muitas cidades brasileiras não possuem um Plano de Carreira desse tipo. 


Links:

Ranking dos salários pagos ao professores das capitais dos estados.

http://noticias.terra.com.br/educacao/infograficos/quanto-ganha-um-professor-no-brasil/

Governo de Haddad paga aos professores um piso salarial 24% maior do que o pago pelo governo Alckmin:

http://www.brasil247.com/pt/247/sp247/139837/Haddad-d%C3%A1-a-professores-piso-24-maior-que-Estado.htm

Piso Salarial Nacional dos Professores subiu para R$ 1.697,00 em 2014:

http://www.ebc.com.br/educacao/2014/01/piso-salarial-dos-professores-tera-reajuste-de-832-em-2014

sábado, 3 de maio de 2014

Porque o aumento real do salário mínimo é tão importante? - por Marcos Donise

Porque o aumento real do salário mínimo é tão importante? - por Marcos Doniseti!

Cotado em dólares, o salário mínimo brasileiro teve um reajuste acumulado de 482% nos governos Lula e Dilma.


O poder de compra do salário mínimo cresceu consideravelmente a partir do governo Lula, devido à política de aumento real anual adotada pelo mesmo e á qual teve continuidade no governo Dilma.
Recentemente o economista Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central do governo FHC (e que em Março de 1999 elevou a taxa Selic para 45% ao ano) declarou, em entrevista para o 'Estadão' que 'os salários já aumentaram muito' e criticou a política de aumento real anual para o salário mínimo que foi implantada pelo governo Lula e à qual o governo Dilma deu continuidade. 

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, também criticou a política de aumento real para o salário mínimo, dizendo que a mesma 'reduziria os lucros das empresas'. 

No site da CartaCapital, o economista João Sicsú escreveu um ótimo texto mostrando a evolução do poder de compra do salário mínimo desde a sua criação, pelo governo Vargas, em 1940. 

O texto de João Sicsú é irrepreensível quando mostra a evolução do poder de compra do salário mínino, que foi fortemente arrochado na época da Ditadura Militar e no período da Crise Hiperinflacionária, que foi um outro legado da Ditadura e que durou de, aproximadamente, 1981 a 1994. 


Esse é o pensamento do futuro ministro da Fazenda de Aécio Neves, caso este venha a ser eleito Presidente da República. 

O aumento do poder de compra do salário mínimo durante os governos Lula e Dilma contribuiu significativamente para ampliar o mercado consumidor do país, pois os reajustes do mesmo beneficiam cerca de 46 milhões de pessoas, cujos rendimentos estão atrelados ao valor do mesmo. 

Desta maneira, a sua elevação em termos reais, acima da inflação, colabora para movimentar a economia, pois quem recebe o salário mínimo acaba gastando tudo o que ganha dentro do país, elevando o consumo interno (e não leva os filhos para a Disney, por exemplo, como faz a classe média mais abastada e tradicional), o que acaba gerando centenas de milhares de novos empregos na indústria, comércio, serviços, agricultura. 

O aumento real acumulado do salário mínimo foi de de 72,35% entre 2003-2013 (governos Lula e Dilma). Neste período ele teve um reajuste nominal de 262%, passando de R$ 200 (em 2002) para R$ 724 (em 2014), contra uma inflação acumulada de cerca de 85% (IPCA).

E um outro fato importante é que o aumento real do salário mínimo também cria um novo piso para as negociações salariais das categorias de trabalhadores melhor organizados. Afinal, nenhuma categoria de trabalhadores pode ser obrigada a aceitar um acordo salarial cujo piso seja inferior ao valor estabelecido para o salário mínimo. 

Portanto, a elevação do poder de compra do salário mínimo acaba beneficiando também aos trabalhadores que ganham mais do que o mesmo. 

Além disso, a sua elevação em termos reais contribuiu decisivamente para a melhoria da distribuição de renda do país, que ainda é uma das piores do mundo, mas não por culpa dos governos Lula e Dilma, e sim da Ditadura Militar (que, entre 1964-1985, reduziu o poder de compra do salário mínimo em cerca de 50%) e do período hiperinflacionário que tivemos e que durou de 1981 a 1994 (logo, essa hiperinflação foi outra herança maldita da Ditadura Militar). 

Em ambos os períodos, que soma 30 anos (1964-1994), tivemos uma queda significativa do poder de compra do salário mínimo, pois em ambos os momentos históricos os reajustes concedidos ao mesmo não acompanharam a inflação acumulada.


De acordo com o Índice de Gini, quanto mais próximo de Zero, menor é a desigualdade na distribuição da renda do trabalho. E o mesmo diminuiu de 0,55 para 0,50 no Brasil entre 2001-2011, com a maior parte dessa melhoria ocorrendo depois de 2003, quando tivemos a adoção de uma política de aumento real para o salário mínimo.

Com a política de aumentos reais anuais para o salário mínimo, adotada pelos governos Lula e Dilma, já tivemos uma melhora considerável na distribuição de renda, principalmente a partir de 2004, quando a participação da renda do trabalho na renda nacional voltou a crescer. 

E durante os governos Lula e Dilma o valor do salário mínimo brasileiro, em dólares, passou de US$ 56, em 2002 (dólar de 31/12/2002), para US$ 326 (dólar de 02/05/2014). 

Assim, cotada pela moeda dos EUA, o salário mínimo subiu 482% entre 2003-2014.

E foi essa melhoria na distribuição de renda que permitiu a ascensão social e econômica de 50 milhões de pessoas (40 milhões subiram para a Classe C e outros 10 milhões ascenderam para as classes AB).

Portanto, a manutenção da política de aumento real anual para o salário mínimo é fundamental para que possamos continuar a reduzir as desigualdades sociais, melhorar a distribuição de renda e, assim, poder construir uma sociedade mais justa e melhor para todos, onde toda a população possa viver com dignidade.


A ampliação do acesso ao ensino técnico público e gratuito também contribui para melhorar os salários dos trabalhadores, pois estes passam a ser muito mais qualificados e preparados para ingressar no mundo do trabalho.

Links:

Entrevista de Armínio Fraga:

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-geral,gasto-publico-deveria-ser-limitado-por-uma-lei-diz-arminio-fraga,181922,0.htm

Salário Mínimo de 2014 garante o maior poder de compra em 3 décadas:

http://www.redebrasilatual.com.br/economia/2013/12/salario-minimo-de-2014-garante-maior-poder-de-compra-em-tres-decadas-328.html

Salário Mínimo na Ditadura Militar e hoje - por João Sicsú:

http://www.cartacapital.com.br/economia/salario-minimo-na-ditadura-e-hoje-643.html

sexta-feira, 2 de maio de 2014

Porque a pesquisa Sensus é fajuta! - por Marcos Doniseti!

Porque a pesquisa Sensus é fajuta! - por Marcos Doniseti!


Safra de grãos teve um crescimento de quase 93% nos governos Lula e Dilma. 

Até o blogueiro e jornalista do 'Estadão' especializado em pesquisas eleitorais, José Roberto de Toledo, ficou abismado (usando uma linguagem civilizada, é claro) com as aberrações dessa pesquisa fajuta do Sensus, que a 'IstoÉ' divulgará amanhã.

1) O nome de Aécio aparece primeiro na relação de candidatos, beneficiando-o claramente;

2) Não existem as opções 'Branco, Nulo ou Nenhum'. Aparecem apenas os nomes dos candidatos e dos seus partidos na relação que o eleitor tem que escolher;

3) Antes de responder a pergunta sobre como avalia o governo Dilma, é feita uma pergunta ao eleitor sobre o 'aumento dos preços dos alimentos' (que é um fenômeno meramente sazonal e que sempre ocorre nos primeiros meses de todos os anos);

4) A pesquisa foi registrada apenas DEPOIS que já tinha sido finalizada. Assim, fica mais fácil adulterar o resultado da mesma;

5) Ao contrário do que se pensa, a pesquisa Sensus NÃO É RECENTE. Ela foi feita entre os dias 22 e 24 de Março, ou seja, há mais de uma semana atrás. É uma pesquisa velha que está sendo divulgada como se tivesse acabado de 'sair do forno', o que é mentira;

6) A pesquisa foi feita logo depois que o PSDB exibiu o seu programa em rede nacional de rádio e TV, no qual Aécio teve uma grande exposição, o que beneficia novamente o candidato tucano;

7) Assim, a pesquisa também não captou, é claro, os efeitos do discurso de Dilma exibido no dia 30 de Abril, sobre o Dia do Trabalhador, e no qual novas medidas em benefício dos trabalhadores e dos mais pobres foram anunciadas pela Presidenta (aumento do salário mínimo para 2015, reajuste da tabela do IR e reajuste dos benefícios do Bolsa Família).

Resumindo: A pesquisa Sensus é fajuta e não merece ser levada à sério, sendo mais uma da série de pesquisas eleitorais que estão sendo feitas (por Ibope, Datafolha, Sensus, MDA) sempre com o objetivo de derrubar, artificialmente, as intenções de voto em Dilma, bem como em diminuir os índices de aprovação do seu governo.

Parece que, nesta campanha eleitoral, as únicas pesquisas eleitorais que poderemos levar em consideração serão aquelas realizadas pelo instituto Vox Populi, dependenda da forma como este irá realizá-las também, é claro.

E é bom não esquecer que todos estes institutos (menos o MDA, mas cujas pesquisas são encomendadas pela CNT, presidida por Clésio Andrade, senador do PMDB que apoia Aécio e assinou o pedido de instalação da CPI da Petrobras) participaram de uma reunião, no início do ano, onde um dos maiores bancos do mundo, o J.P. Morgan, perguntava aos representantes dos institutos o que seria necessário fazer para derrotar Dilma. 

Manipular as pesquisas na cara-dura parece que foi um das respostas obtidas nesta reunião.

Links:

http://blogs.estadao.com.br/vox-publica/2014/05/02/aecio-aparece-primeiro-na-cartela-do-sensus/

http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/blog-na-rede/2014/03/em-encontro-institutos-de-pesquisa-buscam-formula-perfeita-para-derrotar-dilma-8847.html

A mensagem do discurso de Dilma: 'Querem guerra? Vocês a terão!' - por Marcos Doniseti!

A mensagem do discurso de Dilma: 'Querem guerra? Vocês a terão!' - por Marcos Doniseti!


Dilma precisa, mais do que nunca, mostrar para a população trabalhadora quais são as principais diferenças entre os projetos de Estado e de Sociedade do PT e da oposição reacionária e golpista.
O mercado financeiro e o empresariado lucraram como nunca desde que Lula passou a governar o Brasil, graças à retomada do crescimento econômico e à melhoria na distribuição de renda que tivemos desde então, o que permitiu que 50 milhões de pessoas ascendessem social e economicamente. 

Com isso, uma multidão de 40 milhões de brasileiros subiu para a Classe C e outros 10 milhões ascenderam para as classes AB. Isso equivale às populações de Argentina, Uruguai e Paraguai somadas. 

Todos lucraram neste período de governo 'lulista-dilmista-petista': industriais, agronegócio, bancos, classe média. Afinal, quem compra carros novos, viaja para o exterior e adquire imóveis novos, mesmo?. Beneficiários do Bolsa Família é que não são. 

Os mais pobres e miseráveis tiveram uma melhora mais intensa e significativa, é claro, mas isso tem que ser feito, mesmo, do contrário jamais deixaremos de ser um dos países mais desiguais do mundo. 

E como estes segmentos privilegiados da sociedade brasileira retribuíram a tudo isso? 

Financiando e apoiando uma Grande Mídia reacionária, mentirosa, golpista e manipuladora, que mente e engana a população o tempo inteiro, exigindo que o governo atenda apenas aos seus interesses, apoiando Black Blocs neofascistas e assemelhados, bem como sabotando os programas sociais e desenvolvimentistas dos governos Lula e Dilma (exemplo: Mais Médicos). 

E os segmentos mais retrógrados das elites tupiniquins ainda apelaram para mal disfarçadas tentativas de Golpes de Estado, via julgamento fajuto da AP 470. Como disse, corretamente, o ex-Presidente Lula, este foi uma clara tentativa de destruir o PT, Lula e Dilma, o que terminou em fracasso, felizmente.


Para segmentos reacionários das elites tupiniquins, a redução da pobreza é sinônimo de 'Comunismo'.

Tudo isso foi feito via um noticiário que estimulou o ódio da população contra o governo e o país, colunistas domesticados da Grande Mídia (Mervais, Elianes, etc) que possuem fortes conexões com o PSDB e as elites tradicionais mais retrógradas do país, consultores econômicos ligados aos seus interesses (com a já consagrada e famosa 'escola de pensamento econômico' conhecida como Urubologia) e partidos políticos elitistas e reacionários que fogem de povo como o diabo foge da cruz (leia-se PSDB-DEM-PPS) e para os quais o programa Mais Médicos é apenas um método inovador de introdução de espiões comunistas cubanos no país, que vem para cá disfarçados de médicos (acredite, o panfleto reacionário e neofascista conhecido como 'Veja' disse isso...). 

E mais recentemente os segmentos mais retrógrados e golpistas dessas Elites chegaram ao ponto até de apoiar, de forma descarada, um bando de mascarados neofascistas que se intitulou de 'Black Blocs'. 

Estes se utilizaram de uma tática de confrontação por meio da qual membros e simpatizantes de partidos políticos de oposição (PSDB, PSOL, PSTU em especial) ao governo Dilma, aos quais se uniram um bando de jovens deliquentes e frustrados devidamente remunerados, e que passaram a depredar tudo o que é utilizado diariamente pela população (estações de metrô, pontos de ônibus, agências bancárias, lojas, etc), a fim de jogar a mesma contra o governo Dilma, visando derrubar a popularidade e as intenções de voto desta. 


Um dos principais líderes do DEM, Ronaldo Caiado tentou de tudo para inviabilizar o programa Mais Médicos. 

Logo, foi o empresariado e o capital financeiro quem 'queimou as pontes' com os governos Lula-Dilma, tentando, de todas as maneiras, levar ao fracasso todos os planos de governo dos mesmos. 

Recentemente, eles chegaram ao ponto (leia-se Ronaldo Caiado, o DEM e os elitistas Conselhos Regionais de Medicina), até mesmo, de sabotar o programa Mais Médicos, que levou milhares destes profissionais a trabalhar em regiões do país nas quais eles nunca estiveram presentes ou que o fizeram de forma muito rara e esparsa ao longo da história do país. Milhões de brasileiros jamais haviam visto um médico na vida até então. 


Afinal, que Medidas Impopulares serão essas? Explica isso, Senador Aécio Neves...

Assim, as facções mais reacionárias da Elites tupiniquins radicalizaram de tal maneira a luta política contra o governo federal que obrigou este a fazer o mesmo, agora, nesta campanha eleitoral. 

Isso fez com que o governo o PT, Lula e Dilma acordassem de vez e percebessem que não há como escapar da luta política, social e ideológica que se desenvolve no Brasil neste momento da nossa história. 

E como parte deste processo de intensifcação e de radicalização das lutas políticas, sociais e ideológicas que está em pleno andamento no Brasil, torna-se fundamental explicar à população as nítidas e claras diferenças existentes entre o projeto político-social do PT e o do PSDB e da oposição reacionária. 


O Minha Casa Minha Vida é o maior programa de construção de moradias para a população de baixa renda da história do Brasil. O sucesso foi tão grande que até o governo de Hugo Chávez adotou um programa semelhante, e que foi implantado com a assessoria do governo brasileiro. 

O projeto petista é marcado pela distribuição de renda, inclusão social, estabilidade econômica, crescimento econômico, diálogo com os movimentos sociais (com muitos representantes dos mesmos participando dos governos Lula e Dilma), política de estímulo ao investimento produtivo (tanto estatal, como do setor privado), pelo fortalecimento do Estado (tanto na área econômica, como na social, vide o Regime de Partilha do pré-sal e os programas de inclusão social, como o Bolsa Família, o ProUni e o Minha Casa Minha Vida) e da Soberania Nacional.

Enquanto isso, o projeto dos Tucanos e das Elites Neoliberais e Reacionárias (Grande Mídia, PSDB, DEM, PPS e, mais recentemente, o PSB, que se aliou ao grupo para poder dar sustentação à candidatura presidencial de Eduardo Campos), é caracterizado pela exclusão social, concentração de renda, arrocho salarial, desemprego elevado e permanente (a fim de reduzir os salários dos trabalhadores), concentração de renda gigantesca, privatização e enfraquecimento do Estado e, é claro, submissão total aos interesses dos EUA.


Com a adoção do Regime de Partilha, aprovado pelo Congresso Nacional em 2010, o Estado brasileiro ficará com 75% da renda líquida do pré-sal, além de ter o poder de vetar todas as medidas relacionadas ao setor (com a criação da PetroSal). Foi isso que afastou as grandes petroleiras ianques do leilão do Campo de Libra e irritou a Grande Mídia neoliberal nacional e estrangeira. FHC já defendeu publicamente o fim do Regime de Partilha e o retorno ao regime de Concessão que existia em seu governo. 

Felizmente, Lula, Dilma e o PT acordaram a tempo de reagir e de mostrar que se as Direitas mais reacionárias desejam voltar a governar o país, então elas terão que enfrentar e vencer uma batalha muito dura, pois eles não fugirão da luta. 

Aliás, o desejo de travar tal batalha já era um sentimento muito forte entre os militantes petistas, tanto entre aqueles que militam cotidianamente no partido, como entre os que o fazem no mundo virtual, principalmente nas redes sociais (Facebook e Twitter, em especial, além de inúmeros blogs progressistas). 

O discurso da Presidenta Dilma do Dia do Trabalhador representou justamente isso, como se ela estivesse dizendo: 'Querem guerra? Então, vocês a terão!'.

Agora, não vale mais reclamar, elites corruptas, mentirosas, reacionárias, golpistas, entreguistas e apodrecidas. Vocês é que pediram por isso.

A luta política e social, sem dúvida alguma, é inerente a toda e qualquer sociedade que seja marcada pelas desigualdades, como é o caso do Capitalismo, onde atingem níveis estratosféricos, a não ser que sejam reduzidas significativemente pela ação política organizada dos trabalhadores, dos movimentos sociais populares (operário, estudantil, camponês, intelectuais, feministas, entre outros), bem como pela ação do Estado.


Se o salário mínimo está muito alto, é porque em um eventual governo de Aécio Neves o mesmo não será mais reajustado. Pense nisso...

Mas os segmentos elitistas, reacionários e eternamente golpistas da sociedade brasileira promoveram o início, já há alguns anos, de um desnecessário processo de radicalização política, social e ideológica que, no fundo, é uma reação às políticas de inclusão social implantadas pelo governo Lula, que começaram a reduzir as gigantescas desigualdades existentes, desde o período Colonial, na sociedade brasileira. 

Agora, essas elites apodrecidas e retrógradas que aguentem com as consequências desse processo de radicalização política, social e ideológica ao qual deram início.

Ao vencedor, as batatas. 

Links:

Luís Nassif - A nova Dilma:

http://www.blogdadilma.com/dilma/1086-a-nova-dilma-que-emerge-do-1-de-maio

Rodrigo Vianna: A resposta de Dilma ao massacre midiático:

http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/e-dilma-falou-resposta-ao-massacre-midiatico.html


No Brasil dos governos Lula e Dilma, a economia cresceu e a desigualdade diminuiu. 

Antonio Lassance - Dilma retoma ofensiva:

http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/-Dilma-voltou-a-ofensiva-no-discurso-para-o-1%B0-de-Maio/4/30834

Dilma e o 'Tripé Social' - por Marcos Doniseti:

http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com.br/2014/05/dilma-e-o-tripe-social-por-marcos.html

O discurso de Dilma e os grandes empresários:

http://www.blogdokennedy.com.br/sbt-brasil-010514/?doing_wp_cron=1399032009.4809761047363281250000

'Veja': Médicos cubanos são espiões comunistas:

http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/05/revista-veja-sobre-medicos-cubanos-no-brasil-espioes-comunistas.html

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Dilma e o 'Tripé Social' - por Marcos Doniseti!

Dilma e o 'Tripé Social' - por Marcos Doniseti!

Dilma e o Povo: Tudo a Ver!

A Grande Mídia vive falando do tal 'tripé macroeconômico' (metas de inflação, câmbio flutuante, contas públicas) para criticar o governo Dilma. A inflação está dentro das metas há 10 anos seguidos, o câmbio continua flutuando normalmente (com o Banco Central atuando apenas para evitar que haja oscilações excessivas, para cima ou para baixo) e as contas públicas apontam para a menor dívida líquida do setor público em quase 20 anos, com um percentual de 34,2% do PIB (em Março deste ano). 

E agora, no discurso do Primeiro de Maio, Dilma apresentou um outro tripé, que foi o 'Tripé Social', do qual fizeram parte o Salário Mínimo, o reajuste da tabela do IR e  o reajuste de 10% no valor dos benefícios do Bolsa Família. 

Ao fazer isso, Dilma retomou a ofensiva política, como disseram Antonio Lassance e Rodrigo Vianna, e colocou novos temas em debate nesta campanha eleitoral que já está em pleno andamento há muito tempo.

Afinal, a política de valorização do salário mínimo, adotada pelos governos Lula e Dilma, terá continuidade caso Aécio ou Eduardo Campos sejam eleitos? Há sérias dúvidas sobre este assunto. Vamos esclarecer isso, candidatos?

Agindo assim, Dilma mudou a pauta do debate, pelo menos por um certo período de tempo, e colocou a oposição contra as cordas. Agora, Aécio e Campos terão que se pronunciar a respeito destes assuntos e dizer, afinal, o que farão com relação aos programas sociais, ao salário mínimo e à tabela do IR. 

Tais políticas terão continuidade em seus eventuais governos ou serão interrompidas? Afinal, o saláriio mínimo continuará tendo aumentos reais anuais, como acontece desde o segundo mandato do governo Lula? O Bolsa Família será modificado? E o reajuste anual da tabela do IR, que ocorre desde o segundo mandato do governo Lula, vai ser mantido ou não?

A julgar pelas declarações recentes de Aécio e Campos, os mais pobres e os assalariados tem motivos de sobra para se preocuparem com as suas propostas, que apontam no sentido de reforçar a política de combate à inflação, o que exigirá uma combinação de corte de gastos públicos, aumento de juros e arrocho salarial, e que falam de forma insistente em adotar medidas que irão resultar na elevação das tarifas de energia e de combustíveis, principalmente. 

Durante os governos Lula e Dilma, a história acima tornou-se bastante comum no Brasil. E com Aécio ou Eduardo Campos no comando do país, será que isso terá continuidade? 

Tudo isso irá acarretar grandes prejuízos ao conjunto da classe trabalhadora brasileira, sem dúvida alguma. Por isso, Aécio e Campos tem a obrigação de vir a público se explicar sobre as suas verdadeiras intenções para governar o Brasil pelo período de 2015-2018.

Durante a campanha presidencial, Dilma poderá apresentar outras combinações de 'Tripé Social' para cobrar dos candidatos de oposição uma definição sobre as políticas públicas adotadas atualmente. 

Entre as combinações, teríamos: 

1) Minha Casa Minha Vida, ProUni e Mais Médicos;

2) Pronatec, SAMU e Pronaf;

3) Fies, Brasil Sorridente e Ciência Sem Fronteiras.

E assim por diante. 

Afinal, quais serão essas Medidas Impopulares, Aécio? Você tem obrigação de esclarecer isso para o povo brasileiro.

A julgar pelas declarações recentes de Aécio e Campos, os mais pobres e os assalariados tem motivos de sobra para se preocuparem com as suas propostas, que apontam no sentido de reforçar a política de combate à inflação (o que exigirá uma combinação de corte de gastos públicos, aumento de juros e arrocho salarial). 

E então, Aécio e Campos, vamos conversar?

Links:

Antonio Lassance e a ofensiva política de Dilma:

http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/-Dilma-voltou-a-ofensiva-no-discurso-para-o-1%B0-de-Maio/4/30834

Rodrigo Vianna e a resposta de Dilma ao massacre midiático:

http://www.rodrigovianna.com.br/plenos-poderes/e-dilma-falou-resposta-ao-massacre-midiatico.html

Dilma mandou recado claro para a oposição:

http://www.vermelho.org.br/noticia/241210-1

Entrevista de Armínio Fraga ao 'Estadão':

http://economia.estadao.com.br/noticias/economia-geral,gasto-publico-deveria-ser-limitado-por-uma-lei-diz-arminio-fraga,181922,0.htm

Analisando e 'traduzindo' a entrevista de Armínio Fraga para o 'Estadão':

http://guerrilheirodoentardecer.blogspot.com.br/2014/04/arminio-fraga-explica-como-os-tucanos.html