sábado, 1 de março de 2014

Ucrânia: Governo da Rússia já avisou a ONU, Obama e ao governo ucraniano que intervirá militarmente caso pessoas de língua russa comecem a sofrer violências - por Marcos Doniseti!

Ucrânia: Governo da Rússia já avisou a ONU, Obama e ao governo ucraniano que intervirá militarmente caso pessoas de língua russa comecem a sofrer violências - por Marcos Doniseti!


Manifestação pró-Rússia na Crimeia.

Notícias divulgadas pela agência russa ITAR-TASS neste Sábado mostram que o governo russo está determinado a promover uma intervenção militar na Ucrânia caso as ameaças e violências contra russos étnicos e ucranianos que falam o russo comecem a acontecer.

Putin avisou ao secretário-geral da ONU que a Rússia não ficará inerte caso ocorram situações de violência contra população ucraniana de língua russa. 

E o presidente russo disse o mesmo ao presidente dos EUA, Barack Obama e ao presidente francês, François Hollande.

Além disso, o Primeiro-Ministro da Rússia, Dmitri Medvedev avisou diretamente ao Primeiro-Ministro do governo golpista ucraniano (Arseny Yatsenyuk) que o mesmo será responsabilizado caso ocorram situações de violência contra ucranianos de língua russa. 

E o representante da Rússia na ONU (Vitaly Churkin) também disse que é necessário fazer com que a situação na Ucrânia retorne ao que foi acordado em 21 de Fevereiro, quando ficou estabelecido a criação de um governo de união nacional, bem como a realização de eleições presidenciais antecipadas.


Mapa da Ucrânia. Em muitas cidades do leste a população está colocando a bandeira da Rússia nos edifícios governamentais. 

O acordo assinado, entre o então presidente da Ucrânia, Viktor Yanukovich, e a oposição incluía retomar a Constituição de 2004, promover o estabelecimento de um governo de união nacional e realizar eleições presidenciais antecipadas em Dezembro.

Mas um Golpe de Estado derrubou o governo de Yanukovich e um novo governo se instalou no poder, mesmo sem ter recebido um único voto popular sequer. E isso gerou o fortalecimento de grupos neonazistas e de extrema-direita que começaram a perseguir e a cometer violências contra membros de minorias étnicas (húngaros, romenos, búlgaros) e a ameaçar os ucranianos de língua russa e russos étnicos que vivem no leste e no sul do país.

Com isso, a Rússia começou a se preparar política e militarmente para proteger a população de língua russa e os russos étnicos que vivem na Ucrânia. 

As notícias de hoje demonstram claramente que tal intervenção militar russa na Ucrânia, no leste no Sul do país, provavelmente, irá acontecer, mesmo que isso desagrade a ONU, os EUA, a OTAN, a França, o governo golpista ucraniano e seja lá mais quem for. 

Até porque a Rússia já está recebendo dezenas de milhares de refugiados ucranianos, vindos do leste ucraniano, em seu território. Esse número já ultrapassou os 143 mil, e o Senado russo já autorizou o envio das Forças Armadas para a Ucrânia a fim de proteger a população perseguida pelos neonazistas e extremistas ucranianos.


Bandeira russa em em um edifício público de Donetsk, cidade localizada no leste da Ucrânia.

E se, em circunstâncias tão críticas, a Rússia não fizer nada, esse número de refugiados ultrapassará os milhões, sem dúvida alguma, sem falar que o governo russo ficará desmoralizado, interna e externamente.

Assim, Vladimir Putin não tem opção, a não ser intervir. 

Sem dúvida alguma, ele quer evitar uma intervenção militar russa na Ucrânia e prefere uma solução negociada, que promova o retorno à situação existente em 21 de Fevereiro, quando foi assinado o acordo entre o governo Yanukovich e a oposição. 

E isso talvez ajude a explicar a viagem de Yulia Tymoshenko para Moscou, nesta segunda-feira. 

Mas se isso for inviável e as perseguições continuarem contra os russos étnicos e os ucranianos de língua russa, não haverá outra alternativa para Putin a não ser promover uma maciça intervenção militar russa no leste e no sul da Ucrânia. 



OTAN está reunida para discutir situação da Ucrânia! Ministra de Relações Exteriores da UE se reunirá com ministro da Rússia para discutir situação ucraniana!

A OTAN está reunida hoje, em caráter emergencial, para discutir a situação da Ucrânia e a ministra das relações exteriores da UE (Catherine Ashton) irá conversar com o ministro das Relações Exteriores da Rússia (sobre a situação da Ucrânia, é claro), Sergey Lavrov nos próximos dias. 

Assim, parece que o Ocidente está, agora, tentando consertar (sob a forte pressão de ver acontecer uma iminente invasão russa à Ucrânia, é claro) a monumental bobagem que fez na Ucrânia, apoiando o Golpe de Estado que derrubou o governo eleito de Yanukovich, mesmo depois deste ter aceito um acordo que viabilizava novas eleições presidenciais para Dezembro deste ano, bem como o retorno da Constituição de 2004 e a criação de um governo de união nacional. 

Além disso, não se pode esquecer que a economia ucraniana está quebrada e que depende fortemente da Rússia (tanto no fornecimento de gás natural subsidiado, como no acesso ao mercado russo para os seus produtos industriais). 

E caso se concretize a invasão do país pela Rússia, bem como a sua posterior divisão, os EUA e a UE iriam ficar responsáveis pela parte mais pobre da Ucrânia.

Seria um verdadeiro presente de grego que eles iriam receber... 

E com a grave crise econômica e social que ainda atinge os EUA e a UE, é claro que não há nenhuma condição de se promover alguma ajuda econômica minimamente satisfatória para uma eventual e paupérrima 'Ucrânia do Oeste'. 

Os ucranianos do Oeste seriam abandonados, sofreriam uma brutal queda do seu padrão de vida e, talvez, futuras revoltas populares acontecessem neste novo e falido país. 

Além disso, as principais e mais importantes indústrias ucranianas ficam no leste do país, onde vive uma maioria de população de língua russa e à qual a Rússia se comprometeu a proteger. 


Links:

http://en.itar-tass.com/

Putin e a conversa com Hollande:

http://en.itar-tass.com/russia/721624

Putin e a conversa com Obama:

http://en.itar-tass.com/russia/721625

Putin e a conversa com o secretário-geral da ONU:

http://en.itar-tass.com/russia/721627

Medvedev adverte primeiro-ministro golpista da Ucrânia:

http://en.itar-tass.com/russia/721626

Representante da Rússia na ONU pede a volta do acordo de 21 de Fevereiro:

http://en.itar-tass.com/russia/721629




Nenhum comentário: